21 de jan de 2014

Resenha: Cidades de papel


Que medo daquele vlog de ontem! E de como vocês me imaginavam heoiehoie mas fico feliz que tenham gostado! Vou tentar melhorar nos próximos vídeos! :)

Classifico um livro como 'bom', 'ruim' e 'intermediário', basicamente. O livro bom é o que me faz querer ler de novo. O ruim é o que me faz praticamente arrepender de ter lido. O intermediário é o que eu meio que gosto, mas me dá preguiça de reler. Daí eu começo a resenha mais puxa-saco do mundo porque:
1) É John Green
2) Já estou marcando a data para ler de novo
3) É um livro que pude grifar. Grifar livros significa tirar trechos dele que sirvam para qualquer 'leigo' absorver como uma frase legal.


É que gosto de livros que não 'se prendam na história'! Sério, amo grifar livros. Esse foi o livro 'amo', e parece que foi isso que ele trouxe. Ou você ama, ou você odeia. Não vi nenhum meio termo.

Confesso que 'comprei' o livro só pelo autor (o único livro que não estou a fim de ler dele é Will&Will). Não tinha ideia da história e só descobri quando li o verso dele. Mas a sinopse de Cidades de Papel é a seguinte:

Em Cidades de papel, Quentin Jacobsen nutre uma paixão platônica pela vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman desde a infância. Naquela época eles brincavam juntos e andavam de bicicleta pelo bairro, mas hoje ela é uma garota linda e popular na escola e ele é só mais um dos nerds de sua turma.
Certa noite, Margo invade a vida de Quentin pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola, esperançoso de que tudo mude depois daquela madrugada e ela decida se aproximar dele. No entanto, ela não aparece naquele dia, nem no outro, nem no seguinte.
Quando descobre que o paradeiro dela é agora um mistério, Quentin logo encontra pistas deixadas por ela e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele pensava que conhecia.


Algumas pessoas tinham comentado que o livro era meio decepcionante. Não sei se isso me ajudou a adorá-lo, mas, é, eu adorei! Q (o apelido de Quentin - e felizmente tem um apelido, porque eu não ia aguentar ler esse nome tosco o tempo inteiro) e Margo se conhecem desde crianças e com 9 anos, encontram um morto num parque. Isso meio que o deixa traumatizado, mas Margo se mostra 'um pouquinho' diferente e vai atrás de pistas sobre o tal cara. E traz todas as suas descobertas para Quentin.
Os anos passam e eles se distanciam. Quentin é o nerd e Margo é uma popular. Q é obcecado por ela, mas Margo tem outros planos. Ou aparenta ter. Ela tem o costume de fugir de casa, e voltar cerca de dois dias depois, mas depois de passar uma noite com Q fazendo loucuras pela cidade (e ele só topa porque é ela, lógico), ela foge. Um mês antes da formatura do ensino médio. Seus pais não se preocupam (ela já tem 18 anos), e apenas trocam as fechaduras de casa.
Q tem alguns amigos, e dois são os realmente presentes na história. E são esses dois (Ben e Radar, engraçados e peculiares) que serão arrastados por Quentin, determinado a seguir as pistas de Margo e encontrar seu paradeiro.


O livro é dividido em três partes: Os fios, A relva e O navio. O final de A relva foi super excitante para mim. Minha parte favorita, junto com o final, claro.


E por que gostei tanto? Bom, tem romance, mas não é meloso. É engraçado sem forçar a barra. Margo é hipnotizante. A loucura dela pode realmente te contagiar! E essa parece ser a 'fuga' de sua realidade. Ela parece muito perdida e confusa. A história trata da paixão platônica como uma idealização. Significa por a pessoa em um pedestal, quando ela, nada mais é do que uma pessoa. Quentin idealiza Margo, e quanto mais ele se aproxima de seu paradeiro, mais ele descobre coisas sobre ela que não combinavam com a Margo de sua cabeça. E isso é algo muito comum na vida real também. Eu fiz minhas relações, e acredito que você possa fazer a sua também. Consegui me idenficar com ambos. Q chega a ser egoísta pra caramba, não querendo falar de nada além de Margo, e encontrar Margo, e as pistas de Margo. Ela me parece até agora uma pessoa que tem alguma coisa que a perturba muito, mas não dá pra saber se é 100% verdade ou 100% drama. Vontade de ser um mistério ou isso foi meio que uma consequência. O livro é muito profundo e repleto (das minhas amadas) metáforas. Dá para aplicar tantas em tantas coisas. Dos 4 livros do John Green que já li (O Teorema Katherine sai daqui a alguns dias), esse é o mais filosófico de todos.

Não vou dizer mais nada porque acho que isso já foi o suficiente para querer ler sem estragar nenhuma surpresa. Mas sobre o título... Bom, ele é o sentido do livro. Vai descobrir no final.


E, para mim, a nota merecida nada mais é do que um 5/5!


Entendo que muita gente quer ver os dois. Quer dizer, o foco do livro é a busca de Quentin pela Margo e como ele começa a ver o quanto ele a idealizava.
Quem já leu? Quem pretende ler? O que acharam?

34 comentários:

  1. Já estava doida pra ler, depois dessa resenha então... hahaa
    *-*

    16fases.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Eu também já estava afim de ler, mas, só pelo autor, como você disse que aconteceu com você, mas depois dessa opinião sua, bom... acho que John Green tem muito mais pra mostrar, além do que escreveu (e me cativou e emocionou muito) em "A culpa é das estrelas". Quero ler, parece realmente ser um livro que prende o leitor do início ao fim, e isso é uma das principais características que uma história e seus personagens, na minha opinião, precisam ter. :)

    http://sentirodrama.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que acho melhor nesse em relação ao ACEDE é que é uma história mais real e mais fácil de se identificar <3

      Excluir
  3. Ahhh gostei de sua resenha do livro, o livro parece bem interessante!

    xoxo'

    http://liissamattos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Como eu disse quando resenhei esse livro, eu só não me dei muito bem com o final, queria mais, mas considero-o um bom livro, além dos motivos técnicos, pelo mesmo motivo que tu, o fato de poder grifá-lo.
    Beijo,
    Vic (santaironia.com)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Queria ver 'um passo a frente' no final mesmo, mas isso parece coisa para um próximo livro, talvez. Daí imagino que foi melhor assim mesmo :D

      Excluir
  5. Já li todos os do Green (não, menos Will&Will (que lerei daqui alguns dias porque já ganhei) e Deixe a Neve Cair) e posso dizer que ele é o meu escritor favorito. Cidades de Papel é o melhor livro que já li até agora e mal posso acreditar que John Green escreveu A Culpa É Das Estrelas (porque, convenhamos, os outros são infinitamente melhores) e começo a ter uma certa aversão pelo favorito de todo o mundo.
    Mas Cidades de Papel é tão incrível que mal posso esperar pra reler. Porque salvei mil citações no coração e porque Quentin é meu amor eterno.
    A única nota coerente com o tamanho da beleza que esse livro traz é 1000, ou bem mais do que isso.
    Ah, e eu também adoro metáforas.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também é meu escritor favorito! :D Super uma inspiração pra mim! Quando li 'A culpa é das estrelas' achava sensacional, mas agora vejo que não tem nem comparação com os outros 'mais reais'.

      Excluir
  6. Quero ler logo <3 Tive uma decepção e uma surpresa com o John ano passado: odiei A culpa é das estrelas (livro em si bom, mas a história não funcionou comigo dskfhkjdfh) e AMEEEEI Quem é você Alasca?. Melhor livro de 2013, enquanto ACEDE foi um dos piores pessoalmente falando UASHUAH To com Will & Will aqui pra ler (por que não quer ler mocinha?) e to meio ~assim~ pra ler o teorema Katherine. Muita gente odiou, mas quero tirar minhas próprias conclusões - e ler todos livros do John também hehe. E com relação a Cidades de Papel, agora to bem ansiosa pra ler. Vou colocar na minha lista de "prioridades" <3 Amei a resenha e você me deixou louca pra ler e.e Beijão

    www.garotasdemustache.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alasca e Cidades de Papel são OS MELHORES! Vou postar a resenha do teorema daqui a alguns dias, mas ele realmente é ruinzinho. Você tem uma história boa, mas personagens meio fracos. Depois veremos! E W&W parece ser meio podre pela sinopse AHAHUAH

      Excluir
  7. ninguém rala no John Green, ele é perfeito!
    eu leria até a lista de compras dele, sem nenhuma dúvida...
    agora você acaba de tirar minha dúvida sobre comprar ou não esse livro, achoq ue você já sabe a resposta.
    Beijos, Carol ♥
    nove-e-dezesseis.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Finalmente uma pessoa que me entende! Caramba! Eu achei o seguinte: o início foi meio arrastado demais, o que me deu um pouco de tédio. Depois que as coisas começam a melhorar, lá pelo meio do livro (mais especificadamente no momento da "busca", se é que me entende) eu não larguei mais ele de jeito nenhum. E acabei não curtindo tanto o final, portanto, sim, tenho vontade de reler mas tenho preguiça de fazer isso. É uma história boa, é John Green, afinal. Beijos, Light As The Breeze

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O momento da busca foi sensacional! Fora as partes meio nojentas do Ben com as garrafas e tal KKKKKKKK

      Excluir
  9. Esse ainda não e realmente os comentários são de ame ou odeie,mas isso é bom,é tão normal as pessoas descordarem ;P hehe
    Adorei a resenha,me deu vontade de ler ;)

    beeaju
    http://blogdia29.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. haha o que eu quis dizer que é 8 ou 80. Não vi meio-termo com esse livro.

      Excluir
  10. Estou louca pra ler esse livro, é incrível como John Green me prende até o fim de qualquer história!!
    Beijos
    perdidaemabbeyroad.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Esse livro é espetacular mesmo. Gostei muito do blog, é muito bom encontrar alguns realmente bons como o seu, já estou seguindo!
    Um beijo,

    http://mirincondelavictoria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Amo john Green, estes tempos fiz resenha desse mesmo livro no meu blog, atualmente estou lendo o theorema katherine, e depois vou ler Quem é você alasca?
    http://www.geysecofferri.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não gostei muito do teorema, mas AMEI Quem é você, Alasca?

      Excluir
  13. Esse livro parecer ser muito perfeito!
    Já li A culpa é das estrelas e estou lendo Deixe a neve cair, do John, mas já estou de olho nesse e no teorema de Katherine, parecem ser ótimos!
    Amei seu blog, muito lindo, e você escreve muito bem, está de parabéns.
    Comecei agora com meu blog, será que você podia dar uma passadinha? Ia ser ótimo!
    Beijos,
    helozices.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Esse tipo de livro não me atrai, acredita! hehe
    Beijinhos, Rê
    http://garotas-urbanas.com/

    ResponderExcluir
  15. Então, eu queria ler esse livro antes de ver sua resenha só por causo do autor também. Mas agr que eu li a sinopse, que muuuuito leer! Mas pelamor, que nome de personagem "Quentin" é esse? HAHAHAHAHAHA, fiquei com raiva de ler esse nome só na sua sinopse, imagina lendo o livro! auwhuaheuahe, mas que bom que eles trocaram por Q. Adoro livros que você pega aquelas frases bonitinhas. Mas uma coisa que eu não gosto é marcar com post-its, vô começar a grifar também, pq é mais rápido. Mas eu fico com dó hahahahah

    Beijos, @wonderlandwd
    official-wonderland.blogspot.com

    ResponderExcluir
  16. Eu adoro os livros do John ♥♥
    e seu blog é lindo dms *---*

    http://apequenaka.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. MAARGOOO <3
    Até minha vó leu e gostou, haha! Eu também gostei desse livro, Margo é do tipo criançona madura. Eu acho que ela é assim :p
    Misteriosa e completamente envolvente, Margo Perfeita Linda Roth Spielgeman é a personagem mais louca e maravilhosa de todos os meus livros. Gente, que garota esquisita e bisonha!

    Beijos
    http://ignorantesedoces.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Já li esse, e achei MUITO parecido com Quem é Você, Alasca?, mas achei Cidades de Papel ainda melhor (mas ainda sim 4 estrelas). Os meus preferidos do John são Culpa das Estrelas, Teorema Katherine e Will & Will (também tinha preconceito com ele achando que iria ser chato, mas MEU DEUS COMO ESSE LIVRO É FODA. O final é meio tosco, mas vale a pena por todas as partes em que eu ri e por toda a história em si. Outro fato curioso: nunca vi um livro com mais palavrões que esse. HUAHUS). Outro que tem um conto do João Verde que gostei MUITO e entrou pros meus favoritos da vida é Deixe a Neve Cair. O livro todo é MUITO bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E outra coisa: DETESTEI a Margo. Sério. Mas gostei muito dos quotes que ela proporcionou. Hahahaha

      Excluir

© Conspirantes - 2014. Todos os direitos reservados.
Criado por: Amanda Montt.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logoimagem-logoimagem-logo