17 de out de 2013

E quem disse?

to be a bird | via Tumblr

Não sei se era março ou maio e sinceramente? Não me importa lembrar. O negócio é que eu realmente acordei esquisita nessa quinta-feira. Esquisita o suficiente para contar as bolhas formadas por cima do chocolate quente. Faz bem tomar um quanto chove. Mas o problema não foi contar. Foi que realmente parei a vida para isso. Em vez de usar todo o espaço-tempo do meu suposto dia inútil para criar, trabalhar e me ocupar, eu só parei. Sentei. Fui observar a parte mais monótona do meu dia e concluir que todas as 57 pequenas bolhas formadas tem mais a dizer sobre mim do que eu mesma. Porque depois de terminar de contar que percebi que estava triste. Triste o suficiente para não querer trabalhar. E daí fui lembrar de maio. Ou março.
Dizem que fluxos de criatividade e ideias em geral são melhores quando se está apaixonado. Não sei se pensam nisso como uma regra ou o que for. Que seja. Só sei que não se aplica a mim. Sou mais do oposto, quando dizem sobre ostras e pérolas. De qualquer forma, podem ser iguais. Estar apaixonado e triste, quero dizer. Esse coraçãozinho flutuante em cima da sua cabeça pode muito bem ser um grão de areia. Um grão de areia ou toda a praia. Arranhando a pele, a carne e os olhos. Engasgando os desavisados. Pensando bem, acho que não. Não sei sobre a ostra, mas trabalho muito melhor quando estou feliz. O problema é quando a felicidade mistura com a tristeza e formam um rabisco preto. Interrompe minhas conclusões e derrete todo o meu bom senso. O Pequeno Príncipe cuida bem de seus vulcões. Os meus entram em erupção oito vezes ao dia. E eu apenas observo. Não há nada mais a se fazer mesmo. 

E quando a felicidade mistura com a tristeza que ativa um vulcão que derrete meu bom senso, eu passo a contar bolhas em bebidas.

E passei a contar bolhas quando conheci você. Enxerguei através um bocado de areia e nem me importei. Os dias passaram rápido demais e eu precisava escolher entre um masoquismo bem triste me mantendo por perto ou uma raiva mais descontrolada, mas distante. Era decidir entre contar bolhas ou estourá-las. Daí você chega, colidindo com meu planeta, derrubando meu café e pedindo desculpas pelo transtorno. Quer mudar de órbita um instante?  Não sou uma desavisada, mas finjo ser uma. E mesmo sabendo que iria queimar a língua, fritar meu bom senso, escrever metáforas e ouvir mil comparações e 'eu te disse'', eu fui.

Pensando bem, talvez aquele rabisco preto seja mais inteligente que a felicidade pura ou a ostra. É bom se equilibrar na desarmonia.Um desafio ou dois faz bem. 

2 comentários:

  1. Esse texto é tãaaao eu, me encontrei em cada palavra aqui. Só um mínimo detalhe, mesmo dos dias tristes eu consigo tirar um pouco de inspiração, mas a o resultado é beem diferente de algo que eu fiz numa vibe mais feliz kkk

    ResponderExcluir
  2. Faz tanto tempo que eu não me sinto realmente feliz com minha vida, que já nem sei mais o que é buscar inspiração pra escrever quando se está tomado pelo sentimento...
    Obs: saudades de comentar aqui <3

    Novembro Inconstante

    ResponderExcluir

© Conspirantes - 2014. Todos os direitos reservados.
Criado por: Amanda Montt.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logoimagem-logoimagem-logo